segunda-feira, 16 de maio de 2016

A Raposa Azul de Sjón



Sinopse

O ano é 1883. A fria e irreal paisagem do Inverno islandês é o pano de fundo. Seguimos o padre, Baldur Skuggason, na sua perseguição à enigmática raposa azul. E no momento em que o padre prime o gatilho somos transportados para o mundo do naturalista Fridrik B. Fridriksson e da sua protegida, Abba, que sofre da síndrome de Down. Quando ela foi encontrada acorrentada às vigas de um navio naufragado em 1868, Fridrik fora casualmente em seu socorro. O destino de todas estas personagens está intrinsecamente ligado e, a pouco e pouco, de um modo surpreendente, é revelado neste fascinante romance que contrapõe à poética violência da natureza a barbaridade dos homens.






Um livro de pequenas dimensões, com apenas 112 páginas que passará desapercebido a muitos leitores. Pelo menos assim aconteceria comigo se não fossem duas particularidades: a capa azul, lindíssima, com a imagem de um focinho de raposa “azul” do ártico e a vontade que tenho de ler livros sobre a Islândia. 

Assim na Feira do Livro do ano passado, trouxe-o a um preço bem convidativo da Cavalo de Ferro. 

Não poderei dizer que o livro se lê num ápice, porque estaria a mentir. 

Lê-se calmamente e sobretudo sente-se. Sente-se o frio gelado de uma procura, o frio de uma vasta região desértica em que nada vinga a não ser a neve e o gelo. Sente-se o frio humano, o marginalizar de situações, de seres, de condições e sobretudo sente-se a presa, a caça, o disparo da arma e a “vingança” da natureza. A beleza natural de uma região tão inóspita quanto misteriosa aliada à crueldade humana são os principais ingredientes deste pequeno/grande livro.

A histórica gira à volta de três personagens no século XIX: um padre de uma pequena paróquia - Baldur Skuggason que parte numa caçada ao raro animal que dá nome ao livro, um naturalista - Fridrik B. Fridriksson viajante na sua juventude, mas que se dedica ao estudo de plantas na região, isolando-se da sua vida anterior e uma jovem portadora de Síndrome de Down - Abba, encontrada acorrentada num navio abandonado, transportando consigo uma caixa que contém o segredo da sua história, mas que só poderá ser revelado após a sua morte. Apenas no desenlace final se entende qual a relação entre todos num mundo tão árido em sentimentos humanos quanto a paisagem envolvente.

Os capítulos são curtos, por vezes como que pequenas poesias em forma de prosa, que nos deixam a pensar. Pequenos momentos intemporais e mudança de narrador fazem com que nos sintamos parte do livro e que possamos entender tudo aquilo que nunca chega a ser revelado.

O autor transporta-nos para as paisagens geladas da Islândia, onde através de um conjunto de elementos míticos, muito próprios desse país, nos oferece uma leitura diferente que na minha opinião é memorável. Toda a história da humanidade é-nos oferecida num diálogo entre raposa e caçador/reverendo. 


Edição/reimpressão:2010
Páginas: 112
Editor: Cavalo de Ferro
ISBN: 9789896231118
Tradução: Maria João Freire de Andrade




Sjón ou Sigurjón Birgir Sigurðsson é um escritor da Islândia, é famoso por ser o autor de muitas das letras de  canções para Björk e Lars von Trier; viveu em Londres e vive agora Reykjavík.

Vencedora do "Nordic Concil Literature Prize" em 2005, 'A Raposa Azul' é considerada a obra mais importante da literatura islandesa actual.

Sem comentários:

Enviar um comentário